Rolim de Moura - RO, Quarta-Feira, 30 de Setembro de 2020 - 00:00

Polícia aguarda laudo sobre morte de 2 bebês em unidade de saúde de Guajará-Mirim, RO

Mães, equipe médica e parte das testemunhas já foram ouvidas. Previsão inicial é de que o inquérito seja concluído em 30 dias.

Fonte: G1/RO - Em Geral - 19/01/2019 08:15:00 hrs

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
Polícia aguarda laudo sobre morte de 2 bebês em unidade de saúde de Guajará-Mirim, RO

A Polícia Civil aguarda um laudo tanatoscópico que deve esclarecer a causa da morte de dois recém-nascidos em Guajará-Mirim (RO), município a cerca de 330 quilômetros de Porto Velho. As investigações começaram após familiares denunciarem um médico de uma unidade de saúde da cidade. O inquérito para apurar ambos os casos foi instaurado no dia 27 de dezembro do ano passado.
Os boletins de ocorrência foram registrados no início do mês passado. À época, testemunhas alegaram que houve negligência por parte do profissional de saúde e disseram que os bebês estariam vivos se não fosse a demora no atendimento.
Conforme a delegada à frente das investigações, Luiza Ximenes, as mães dos bebês, a equipe médica e parte das testemunhas já foram ouvidas. Ela pontuou também que outras pessoas devem prestar depoimento na próxima semana.
A corporação tem, agora, 30 dias para concluir o inquérito. Entretanto, esse prazo pode ser prorrogado por mais tempo até que todos os fatos sejam esclarecidos pela polícia.
Logo após a conclusão, o inquérito deve ser entregue ao Ministério Público de Rondônia (MP-RO), que vai decidir se oferece ou não denúncia à Justiça.
 

Ocorrências e denúncia

De acordo com os registros policiais, uma moradora de Guajará-Mirim, que não teve a idade revelada, deu entrada no Hospital Bom Pastor, que tem convênio com o município, no dia 1º de dezembro de 2018 e permaneceu sem atendimento médico até o dia 3.

Pouco tempo depois do nascimento, a criança faleceu por complicações respiratórias causadas por ingestão de líquidos e fezes.
O segundo caso ocorreu com uma moradora de Nova Mamoré (RO). Gerlaine de Oliveira, de 19 anos, estava com 39 semanas de gestação quando começou a sentir as primeiras contrações.
No dia 1º de dezembro recebeu os primeiros atendimentos no Hospital Antônio Luiz de Macedo, em Nova Mamoré. Depois, seguiu ao Hospital Bom Pastor.
A jovem chegou a Guajará-Mirim na madrugada do dia 2 e permaneceu internada. Ainda segundo o boletim de ocorrência, o médico disse que o parto não poderia ser realizado, pois ela tinha apenas 2 cm de dilatação e são necessários 10 cm.
Após dois dias de internação na unidade, Gerlaine tinha 5 cm de dilatação. Então o médico decidiu fazer uma cesariana. Nesse tempo, a criança ingeriu fezes, teve que ser entubada, não resistiu e morreu.
 

O que disse o hospital?
 
Em 27 de dezembro, dia da abertura do inquérito policial, a empresa que administra o hospital informou, em nota, que todos os procedimentos necessários foram realizados no trabalho de parto das pacientes e que cumpre o Manual Técnico de Assistência Pré-Natal do Ministério da Saúde. Disse ainda estar colaborando com as autoridades na apuração do ocorrido.

COMENTE
COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve, em especial, aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu. A DIREÇÃO
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Mais Notícias da Categoria: Geral

TV TRIBUNA TOP

Carregando...